terça-feira, 21 de julho de 2009

Palavras


Famalicão, 2009

Quando as palavras fogem à pena,
Por selvagens e bravias,
Cedo ou tarde se sujeitam,
ou se domam.
Cedo ou tarde
se fazem servir.

E as que voam em cor
Por raias de horizonte?
Essas fluem,
Donas de si,
Estranhas e leves!

Às vezes…
Não se prendem nem sujeitam.
Emaranham emoções,
Desenham desejos, paixões,
Esfranjam-se, dissipam-se e levam,
Para lá do horizonte,
O poema e a cantiga.

Na voz, o silêncio.
No papel, um alvo ou negro nada.

E na alma…
Palavras esfumadas
Sem serem presas, domadas
São íntimas, sós, secretas, não partilhadas!

2 comentários:

Dani disse...

Tão lindo!!!

Brigada pela parilha, e continua assim FANTÁSTICO!!

TatãoPortela disse...

Em férias e depois de um dia de praia, passei por aqui para ler poesia!!! (quero um livro)