quinta-feira, 24 de março de 2011

Olha.. ouve!


Famalicão (Casa Das Artes), 2011

Olha como é frio o silêncio do teu corpo
Abandonado nos bastidores da poesia.
Vem ao amor. Abre o desejo e grita.

Ouve teus tons que passam a linha da ribalta
E me penetram em sopro quente e cheio.

Faz-te de mim...
Deixa que o nome que te der
te soe sentido.
Que seja resposta de ser
ao som exercido e partilhado.

Afinal...
antes de dado,
nem era teu...
Nem o som era!

1 comentário:

NELL SANTOS disse...

Muito bonito! Sons que vem de fora... sons que vem de dentro... Os últimos, são os que muitas vezes deixamos calar. Se calarmos, eles gritarão de alguma forma.

Abraço. amigo!