quinta-feira, 21 de junho de 2012

Pedras



Vila Nova de Famalicão, 2012

Não me deixes fazer castelos
Com as pedras
encontradas nos caminhos.

Hei-de fazer castelos de nuvens,
Sonhos de ver longe e voar,
Muralhas que são para mirar
Palavras no firmamento.

Deixa-me sorrir

Guardar cada pedra
Em cofres bem pequeninos,
Forrados de azuis marinhos,
Como preciosas relíquias de sentir.

Ou então…
Faz-me fazer carinhos
Com as pedras dos caminhos.

Talhar ideias, lavrar,
Riscar sulcos de pensamento,
Ladrilhar a cada momento
Veredas de caminhar
As rotas do sentimento.


4 comentários:

TatãoPortela disse...

Entre a imagem e as palavras, em ti eu fico com as palavras definitivamente.

TatãoPortela disse...

Entre a imagem e as palavras, em ti fico com as palavras definitivamente;)

Vivian disse...

...nem sempre as pedras
do caminho são objetos
de tropeço.

aqui, como podemos ver,
uma delas serviu para
uma belíssima prosa
nascida de um sensível
coração.

pouso meu olhar na amálgama
de neve, deixando-me levar
aos caminhos de calma
silêncio e paz!

observo em sua superfície
pequenos sulcos traçados
pelo tempo, e mesmo assim
ela não perdeu a essência.

isso me faz pensar...

bj

EB1 Avidos disse...

Eu adoro pedras! Por onde passo, vou trazendo pequenas recordações... Ainda hoje, viajei até ao Piodão, sem sair do meu escritório, ao olhar para uma pequena pedra de xisto carregada de bons momentos...